Cultura dentro e fora da universidade

O Projeto ProCult

 

O apoio e a verba do edital ProCultura foram importantes para a concretização e impressão do Recomeçar, o material didático elaborado por membros do projeto MemoRef, a elaboração do site, nosso Memorial Digital do Refugiado, banco de dados, que contará com relatos escritos, audiovisuais, sonoros, fotografias e entrevistas coletadas durante a vigência do projeto e que poderão se tornar, futuramente, corpus de pesquisa para a própria comunidade científica da EFLCH e/ou material de apoio para projetos interdisciplinares do ciclo básico de ensino; e também para o financiamento dos eventos de abertura do projeto, com boas-vindas aos alunos e primeira amostra para a comunidade acadêmicas e interessados, sobre o nosso projeto e as atividades que desenvolveríamos, e do encerramento, solenidade para entrega do certificados dos participantes deste curso incial e amostra de tudo o que foi realizado ao longo desses três meses de cursos.

 

Terças Culturais

 

As terças- culturais tinham como objetivo promover a integração da comunidade acadêmica e proporcionar um espaço para discentes, técnicos e docentes apresentarem sua arte. E também, um espaço para trocas de experiências e conhecimentos culturais de outras nações e para a reflexão acerca da cultura brasileira e da multiculturalidade que está cada vez mais presente em nossa sociedade, influenciando,direta ou indiretamente, a nossa própria cultura. Ou seja, um espaço em que nossos alunos aprenderiam sobre a cultura do Brasil, e nós brasileiros aprenderíamos sobre a cultura do país deles.

 

E eventos, tinham como proposta contar um pouco sobre a cultura brasileira e proporcionar uma roda de conversa para troca de experiências entre a comunidade acadêmica e os refugiados, tornando-se, assim, um momento para apreciação artística e reflexão cultural importantes para a desconstrução de estereótipos e preconceitos.

 

Também é compreendido que para o melhor ensino de PLE é necessário que haja a inserção da cultura brasileira na vida do refugiado e, para tal, é preciso vivenciá-la. As terças – culturais foram pensadas como um espaço para essas vivências.

 

Algumas das atividades culturais desenvolvidas foram:

 

* No mês de setembro, a Bateria Malaguetta da UNIFESP apresentou os dois estilos musicais , Forró e Samba para os alunos MemoRef, permitindo que nossos alunos aprendessem na prática um pouco de cada instrumento e como era composta a bateria como um todo. Depois, os alunos e os convidados da oficina, puderem tocar o instrumento que mais gostou.

 

* No mesmo dia, já no LIFE, nossa aluna MemoRef, ensinou uma famosa dança Siria. Alguns passos e requebrados do que comumente chamamos de dança do ventre.

 

No mês de novembro, foi elaborado uma troca cultural culinária. Cada membro da equipe traria um prato típico brasileiro e os alunos um prato típico do seu país de origem. A proposta era contar um pouco sobre a culinária brasileira, sobre qual região do país aquela comida pertencia e ensiná-lo a fazer uma receita tipicamente brasileira. Mas infelizmente os alunos não compareceram.

 

Além das terças – culturais, durante o curso teve um dia em que levamos os alunos em um estabelecimento próximo universidade, onde eles puderam provar o pastel, caldo de cana e brigadeiro na faixa. O objetivo era que saboreassem alimentos bastante típicos da nossa cultura e que conhecessem alguma das comidas que estavam sendo trabalhadas naquela aula.

 

Um outro acontecimento, foi a exposição de fotografias, em parceria com a biblioteca da universidade. Foram selecionada 18 fotos, impressas em preto e branco, expostas em um painel de

 

madeira presente no interior da biblioteca, próximo a entrada, em um espaço de circulação de pessoas. A fotografia é uma representação e recorte da realidade, nesse caso, selecionada para apresentar o olhar do refugiado e, sendo uma das formas mais genuínas de manifestações artísticas, a fotografia tem em sua constituição o poder de captar a atenção daquele que a vê, logo, possibilita a reflexão da comunidade acadêmica a partir do ponto de vista dos refugiados, proporcionando, consequentemente, que eles se manifestem artisticamente.

 

Outra atividade cultural desenvolvida, esta em parceira com a escola Santo Agostinho, da cidade de Bragança Paulista, tem como dinâmica a troca de mensagens entre alunos de quatro a onze anos, alunos desta escola e os nossos alunos refugiados. A atividade será desenvolvida por meio da troca de cartas, bilhetes, cartazes e e-mails que os alunos fizeram com muito amor e carinho para os refugiados. Os refugiados responderam as cartas e as mesmas foram enviadas para a escola. A ideia dessa atividade partiu da escola, diante da solicitação do presidente da escola Frei Paulo Gabriel, por intermédio da ordem do Padre Geral Fr. Alejandro Moral de Roma, na qual pediu para que fossem desenvolvidas reflexões nos centros agostinianos, visitas concretas a lugares de atendimento, debates e seminários, trabalhos interdisciplinares e mesmo aportes financeiros para ajudas concretas. A partir disso, um membro da escola entrou em contato com o projeto MemoRef, por sermos o meio de contato entre as crianças e os refugiados. Uma turma da escola elaborou um vídeo com as etapas de produções das cartas e com as atividades desenvolvidas acerca do tema refugiado, este será mostrado aos alunos apenas na solenidade de encerramento dessa primeira etapa do MemoRef.

© 2017 Memorial do Refugiado. Todos os Direitos Reservados.